Tia Mirá

Comecei exercer meu chamado em 1995 na Jocum-Contagem onde fiz minha ETED "Escola de Treinamento e Discipulado". Um ano depois fui para Salvador-Bahia e Irece interior da Bahia conhecido como sertão Baiano, onde abrirmos a Base Jocum-Irece, durante os 11 anos que passei em Irece trabalhei em parceria com as Igrejas da região e com a comunidade.

Algo que marcou neste tempo, foi ver a fidelidade de Deus diante das muitas dificuldades que a Base passava. Um dia estávamos sem mantimentos mais para os 8 Obreiros que serviam na Base. Uma certa manhã chegou um mendigo arrastando uma saco pedindo um lugar para dormir, nos permitimos que ele se deitasse na varanda da Base, onde passou a manhã dormindo, quando acordou nos pediu comida, nos dividimos o almoço que ainda tinhamos com ele.

Quando ele terminou de comer ele olhou para todos com um olhar de alegria e gratidão. Ao se levantar para ir embora, ele nos entregou seu saco como agradecimento por termos recebido ele e foi embora. Para nossa surpresa quando abrimos o saco, havia bastante carne, suficiente para alguns dias. Entendemos que o anjo do Senhor nos visitou naquela manhã e nos levou mantimentos. Nunca mais voltamos a ver aquele homem. Essa foi uma das muitas experiências que tenho experimentado da fidelidade de Deus.

Depois deste tempo de 11 anos na Bahia, Deus envio minha filha para Jocum-Contagem para fazer sua ETED e eu fui servir como Obreira na Base de Recife. Trabalhando com Logística, novos Obreiros, e liderando algumas escolas de Treinamento e discipulado.

Durante esses 22 anos de missões vivi muitas experiências com Deus, a mais importante foi aprender ouvir a Deus.

Em 2015 enviamos uma Equipe para trabalhar com os refugiados na Base de Bad-Blakenburg/Alemanha. Deus nos deu uma palavra quando enviamos a equipe "Ainda que não sabemos a língua, a linguagem do amor é universal", algumas pessoas da Equipe ficou bastante conhecida pelos os refugiados e se tornaram amigos, no ano de 2016 voltamos com uma nova

Equipe. Uma mulher síria reconheceu um dos obreiros da equipe e gritou com alegria "Uau, vocês voltaram para nós!" essa situação me fez ver que não importa a distancia, as finanças ou o idioma, sempre vale a pena investir em alguém, porque a linguagem do amor é universal.

E esse é meu chamado fazer discípulos de todas as nações. Sou chamada para Treinar e Enviar. Indo, Orando e Contribuindo.

Quem concordará com o que vocês estão dizendo? A parte de quem ficou com a bagagem será a mesma de quem foi à batalha. Todos receberão partes iguais". 1Samuel 30:24

Mirany André Pedroso de Minas Gerais, 50 anos. Tenho uma filha chamada Natália de 28 anos, sou cristã a 26 anos e missionária na Jocum-Recife "Jovem com uma Missão" há 22 anos